fotos: danielqueiroz.com

Milena Moraes é atriz e produtora. Atua em teatro e audiovisual e é uma das fundadoras da La Vaca Companhia de Artes Cênicas. Está no ar com a série Crisálida (Netflix) e Submersos (coprodução Brasil-Argentina, Paramount Channel e Prime Box Brazil) . 

Nasceu na capital paulistana e passou a adolescência em Botucatu/SP. Em 1994 passa a matricular-se em oficinas teatrais e integra o elenco do resultado de uma delas: Deus, texto de Woody Allen com direção de João Carlos Andreazza, que percorreu festivais do interior paulista. É radicada em Florianópolis desde 1997.

Graduada em Artes Cênicas pelo Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), ainda na faculdade produziu e atuou nos solos Santa, com direção de Gilbas Piva, e Uma Mulher Só, de Malcon Bauer.

Em 2005 entra para o elenco de atores e roteiristas do humorístico Teatro de Quinta, onde também integrou a equipe de produção até 2010.

Em 2008 estreia Mi Muñequita, de Gabriel Calderon e direção de Renato Turnes. Contemplado pelo Prêmio de Incentivo à Cultura da Fundação Franklin Cascaes, circulou duas vezes por Santa Catarina (Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura e Emcena Catarina - SESC-SC), e realizou circulação nacional através do Palco Giratório (SESC). Funda, em parceria com o diretor e ator Renato Turnes, a La Vaca Companhia de Artes Cênicas, onde desempenha as funções de atriz e produtora.

Em 2011 idealiza o projeto #RiAlto de comédias, produzindo e promovendo a #RiAlto: a semana do riso. Estreia o solo cômico Só Tudo Isso, que originou o programa humorístico homônimo para a TV, veiculado pela afiliada da Rede Bandeirantes em Santa Catarina. Uma coprodução La Vaca e Vinil Filmes.

Em 2012 estreia o solo para espaços não-convencionais Kassandra, com texto de Sergio Blanco e direção de Renato Turnes. A montagem é contemplada com o Prêmio FUNARTE de Teatro Myriam Muniz para sua montagem e temporada de estreia, circula por Santa Catarina através do Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura e por importantes festivais pelo país (FILO 2015, FIT-BH 2016, FITRUPA 2016, Cena Contemporânea 2016, FituB 2017, Isnard Azevedo 2018). Em 2016 faz temporada em São Paulo através de financiamento coletivo.

 

Ainda em 2012, no projeto #RiAlto de comédias, estreia o one woman show Do Avesso, com direção de Renato Turnes, e se mantém em cartaz com DR. No mesmo projeto ainda produz As Felicianas, no repertório da La Vaca Companhia de Artes Cênicas de 2013 a 2015. Produz Le Frigô, de Copi, solo com direção de Vicente Concilio e atuação de Renato Turnes. Em 2013 produz a circulação estadual do solo de dança Eu faço uma dança que a minha mãe odeia, de Karin Serafin e direção de Renato Turnes.

 

Em 2014 estreia UZ, de Gabriel Calderón e direção de Renato Turnes, contemplado com o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, que circulou através do Emcena Catarina 2016 (SESC-SC), integrou a programação do FIT-BH 2016, FituB (2017) e circulou pelo interior de São Paulo com o Programa Petrobras Distribuidora de Cultura (2018).

 

Produz a montagem de O Homem de Agrolândia, solo de Malcon Bauer com direção de Renato Turnes, que circulou por Santa Catarina de forma independente e pelo interior do Rio Grande do Sul através do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura (2016).

 

Estreia o espetáculo internacional Odiseo.com, de Marco Antonio de la Parra, uma coprodução do grupo Experiência Subterrânea e do Centro Latinoamericano de Creación e Investigación Teatral – CELCIT, convidada pelo diretor André Carreira. Em 2015 assume também a produção brasileira da montagem. Além de contar com o apoio do Iberescena, circulou por Santa Catarina através do Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura e esteve em importantes festivais como Festival de Teatro MERCOSUR 2015 (Córdoba - Argentina), Toni Cunha 2015 (Itajaí-SC), Isnard Azevedo 2015 (Florianópolis-SC), FITRUPA 2016 (Porto Alegre-RS), Cena Contemporânea 2016 (Brasília-DF), FituB – Festival Universitário de Blumenau (2017).

De 2015 a 2017 atua como convidada da companhia Pé de Vento Teatro no espetáculo De Malas Prontas, com direção de Pepe Nuñez, onde divide o palco com a atriz Vanderléia Will.

 

Em 2016 produz a intervenção urbana Parte da Paisagem, de Renato Turnes e Karin Serafin (Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura).

 

Em 2017 recebe o título de Personalidade das Artes Cênicas do Ano pela Academia Catarinense de Letras e Artes.

 

Em 2018 estreia Ilusões, de Ivan Viripaev e direção de Fabio Salvatti, montagem comemorativa dos 10 anos da La Vaca Companhia de Artes Cênicas em que atua e produz. A encenação foi viabilizada pelo Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura. O espetáculo esteve na programação do Festival Palco Giratório, Festival Isnard Azevedo e EXPERIMENTA, mostra de artes da UFSC. Em 2019 o espetáculo realizou temporada no SESC Belenzinho, em São Paulo, na programação da Mostra Cena Sul, além de ter sido selecionado para a mostra principal do 6º Festival Brasileiro de Teatro Toni Cunha e para o projeto Encena Paraná, do SESC. Em 2020 é selecionado do Festival Internacional de Arte e Cultura José Luiz Kinceler (FIK 2020) e para o projeto Rede Sesc de Teatros, de Santa Catarina.

 

Em 2019 integra a comissão de curadoria do Festival Isnard Azevedo – Floripa Teatro.

 

Produz o projeto de pesquisa Lugar de Piada, de Malcon Bauer, que reflete sobre o lugar do humor e sua relação com grupos oprimidos. Realiza entrevistas e um ciclo de encontros online entre julho e outubro de 2020, no canal da La Vaca no YouTube.

 

Produz o projeto Homens Pink, de Renato Turnes, que se desdobra em um filme documentário e uma performance teatral solo. O filme é lançado em setembro de 2020 no 24º Florianópolis Audiovisual Mercosul e entra no circuito de festivais definitivamente ao ser selecionado para o Festival Mix Brasil e o DIGO – Festival Internacional da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás, entre outros.

 

A performance solo de Homens Pink, criada e executada por Renato Turnes, estreou também em 2020 em sua versão EM CASA, realizada nas condições de isolamento impostas pela epidemia da COVID-19, e foi selecionada para o VIVOS Festival (Buenos Aires), para o Itajaí Criativa 2020 (Itajaí/SC) e para o Rosa dos Ventos – O Teatro Catarinense em Conexão.

 

Realizou, no contexto pandêmico, a palestra online O Percurso do Afeto e a oficina Produção em Escalas, pelo edital emergencial #SCulturaEmSuaCasa, da Fundação Catarinense de Cultura.

 

Sua relação com o audiovisual começa no início dos anos 2000 e se dá inicialmente como atriz. Além de peças publicitárias e materiais institucionais, atuou em vários curtas-metragens premiados. Produziu a série de humor para a TV “Só Tudo Isso! Com Milena Moraes" em 2011. Em 2018 teve o projeto “Homens Pink” contemplado pelo edital Rumos, do Itaú Cultural, do qual assina a Direção de Produção e a Produção Executiva do documentário de mesmo nome, que estreou com toda a força no circuito de Festivais de Cinema Nacionais e Internacionais.

 

Está no ar a série Crisálida (Netfllix), de Serginho Melo, e com Submersos (Paramount Channel e Prime Box Brazil), de Márcia Paraiso e Claudio Rosa, uma coprodução Brasil-Argentina.

1/11